quarta-feira, 1 de julho de 2009

Por Eder Fischer


Um resultado de três a um a ser revertido contra um time tido por muitos como sendo o mais forte, cujo retrospecto em confrontos em copas e seus títulos não desmentem o seu tamanho. Uma batalha em campo que se recusa a acabar após o apito do árbitro suplente, estendendo-se a juizes que usam martelo ao invés de apito. Uma semana com previsão de frio e chuva.

Muitos torcedores baixariam a cabeça, muitos torcedores acompanhariam a partida no máximo em um bar, muitos torcedores vaiariam a volta do time ao seu estádio, muitos torcedores comuns, mas não gremistas. Gremistas de verdade não se desanimaram após o jogo, gremistas de verdade suspiraram com satisfação e agradeceram aos Deuses do futebol por propiciarem este cenário bélico e permiti-lhes não somente presenciar, mas pelear junto mais esta batalha na vida daquele que é conhecido como imortal.

Gremistas, agradeçam! Vistam a camisa mais surrada que tiverem, talvez aquela que vocês estavam usando naquele inesquecível sábado de 2005, pois não vamos ao Olímpico a passeio, pintem seus rostos, desfrutem cada minuto do segundo dia do mês de julho antes da partida, preparem o espírito e quando alguém comentar o quão duro será o jogo, apenas sorriam. Sorriam o sorriso do guerreiro. O sorriso de quem espera pela batalha que tanto aguarda pacientemente enquanto amola a sua espada. Na próxima quinta-feira não vamos ao Monumental simplesmente. Na próxima quinta-feira marcharemos as calçadas estreitas da avenida Azenha, deixaremos o ar gélido do nosso inverno entrar em nossos pulmões e ser expulso pelo calor dos nossos corações, nos alimentaremos com o som dos nossos companheiros que lá nos aguardam e formaremos junto a eles nossa linha de frente nos dois anéis do poderoso estádio Olímpico Monumental. E lá, não haverá espaço para disputa ou vaidades entre os nossos, cantaremos juntos, de goleira a goleira, de inferior a superior, de Geral a Social, a mesma canção, pois só assim nossa força se fará presente, nos lembraremos do motivo maior pelo qual vestimos as mesmas cores.

Nossa garganta será nossa espada; a camisa, nossa armadura; e com isso, lutaremos e faremos o melhor que pudermos, pois comparado à grande nação tricolor espalhada pelo mundo, os cinqüenta mil da azenha serão os poucos privilegiados a fazer parte de mais este feito.

Então, companheiro gremista, se vai ao estádio na próxima quinta-feira, saiba desde já o tamanho de sua responsabilidade. Não se preocupe com a sua voz e no dia seguinte quando perguntado se a perdeu, diga que não. Diga que ela está no Olímpico e ficará lá, perpetuada junto a outras 50 mil que levaram o Grêmio a mais esta façanha.

Loucura?

ISTO-É-GRÊMIO!

3 comentários:

Felipe Cunha disse...

Belo texto.

Sobre o jgo, falo amanhã. Hoje não tenho condições. ;o)

Fernando Amoretti disse...

Baita post.
Sentimento dos ligados diretamente aos temidos Deuses do futebol.

Nao importa o resultado, e sim a paixao.

Parabens Fagner.

Saudacoes...

Pedro Rafael Marques disse...

A torcida que joga vai ter que demonstrar o seu afeto a um time limitado, mas que tem um torcedor sem limites pra apoiar.

Vivemos de loucura!