terça-feira, 9 de março de 2010

O IMPORTANTE É CORNETEAR!


Venho nos últimos dias ouvindo muitas críticas as atuações do Internacional e principalmente ao esquema adotado pelo seu treinador Jorge Fossati. Salvo raras exceções eu tenho como costume apoiar os treinadores que passam pelo Inter, principalmente no início do seu trabalho. Montar um time, criar uma forma de jogar não é fácil, não existe receita de bolo. Se fosse assim qualquer um seria treinador.

A moda agora é criticar o esquema 3-5-2, reclamam muito a falta de mais um articulador. Mas eu tenho absoluta convicção que se o esquema fosse o 4-4-2 as críticas estariam sendo direcionadas ao sistema defensivo colorado, como aconteceu na "era Tite". Muitos voltariam a dizer que o Kleber estaria sendo sacrificado, que os zagueiros colorados já são "velhos" e precisam de mais proteção, entre outras críticas.

O Internacional tem pela frente em 2010 duas competições dificílimas, Libertadores da América e o Campeonato Brasileiro, tanto numa quanto em outra existem adversários duros e as chances coloradas de não ser campeão destas competições é muito maior do que as de conquistar os títulos. Mas detalhe: Esta proporção vale para qualquer equipe, mesmo que seja uma equipe forte, as chances de não ganhar um campeonato como estes é sempre muito maior do que a possibilidade de conquista-los.

O que os críticos fazem se chama de "auto-vacina", para que em uma eventual frustração vermelha, eles possam encher o peito e falar: Eu avisei!

É muito mais fácil criticar do que elogiar, é sempre assim.

E digo apenas uma coisa aos críticos do Internacional que se dizem "entendidos" de futebol: O problema do Internacional não esta na articulação, mas sim na figura do segundo atacante. Se o Inter tivesse um homem mais incisivo na posição, alguém que se "mostrasse" mais, que por vezes fosse as redes, hoje a articulação vermelha estaria sendo isentada. Podem ter certeza disso.

E era isso!

Um comentário:

Fernando Amoretti disse...

Felipe, já havia decido que este ano iria atuar com a medida certa de elogios e críticas.
A imprensa espera muito mais do Internacional do que do co-irmão. Isso não é novidade eu sei disso, mas sempre é bom lembrar.

O caso do Inter é querer agradar todo mundo. Tiro o chapéu pro Fossati pois ele contraria todo mundo, assim que tem que ser um treinador, ter convicção, mesmo que esteja errado.

O meu time do Inter, é no 4-4-2 com D'Alessandro na articulação. O resto é enfeite.