quinta-feira, 24 de setembro de 2009

SITUAÇÃO COMPLICADA


O momento é difícil, eu diria muito difícil.

Eu tenho particularmente três conclusões que na minha opinião justificam o mal momento vermelho.

1º) Eu tinha muito medo da saída de Giuliano para o Mundial-sub fralda, e infelizmente eu estava certo. O garoto estava sendo peça fundamental ao esquema da equipe, mérito TOTAL do treinador Tite que investiu no jogador. Muitos já não acreditavam em Giuliano, ouvi até dizer que era jogador de "Paraná", não servia para o Inter. Eu particularmente não esperava do jogador uma grande resposta agora em 2009, mas sim para o ano que vem, achei que ele precisaria de mais tempo para se adaptar as exigências de um grande clube.

Giuliano teve sequência e cresceu junto com a equipe, com sua dinâmica fez o time todo jogar. Há quem não goste do futebol do garoto, mas é inegável a falta que ele estava fazendo ao contexto vermelho. E coincidência ou não, desde seu último jogo contra o Avaí na Ressacada, o Inter não venceu mais.

2º) Futebol é momento. Frase batida, porém uma das maiores verdades do esporte. E para a tristeza da nação vermelha as coisas não estão "acontecendo" para os jogadores colorados. SE ontem o Lauro não tivesse tomado um frango, SE o Alecsandro não tivesse perdido aquele gol na cara do goleiro, SE a bola do Índio não tivesse achado a trave, SE algumas das cabeçadas do Edu tivessem entrado, SE o Guinazú não perdesse o gol debaixo das traves, etc, hoje as "cornetas", as críticas, seriam minimizadas ou talvez nem existissem.

Porém o "SE" não existe no futebol. Futebol é detalhe, e é este detalhe que esta faltando para o Internacional. Contra Cruzeiro e Vitória também houveram chances, mas aquele "SE" novamente resolveu aparecer e hoje o Palmeiras esta liderando o campeonato com 4 pontos de folga.

3º) Aqui sim, até pode se cobrar da direção do Internacional. Hoje o grupo colorado não tem o jogador "diferencial". O que é um jogador "diferencial"? Na minha concepção é aquele que tem o poder de decidir "sozinho", ou seja, o cara que faz GOLS inesperados, é o que tem hoje o Palmeiras com Diego Souza.

Com esta característica tínhamos Nilmar e Alex. A direção, a TORCIDA, e as opiniões em geral acreditaram que Taison poderia assumir este papel, porém o jogador não confirmou as espectativas.

Não sou o dono da verdade, mas de cabeça fria acho que é por ai que se explicam os problemas no Beira Rio. Existem momentos que a bola bate na trave e entra, o colorado esta vivendo o momento inverso. Se a redonda começar a entrar já vai ajudar bastante.

E era isso!

Um comentário:

Fernando Amoretti disse...

A nega não tah querendo beijar o capim do fundo do gol adversário.