quinta-feira, 12 de agosto de 2010

UNIVERSO PARALELO


Falo de futebol com muita gente, leio jornais, ouço rádio, acesso páginas de internet, blogs, fóruns, etc. Então tenho uma noção bem clara do que pensam os torcedores do Grêmio atualmente. E me impressiona demais que grande parte da nação gremista viva em "um universo paralelo", habitam algum lugar da galáxia em que a realidade não é levada em consideração.

Vejo torcedores se apegarem a pensamentos mágicos, acreditarem freneticamente na "imortalidade tricolor" que muitas e muitas vezes já deixaram os próprios torcedores chupando o dedo. Um grande exemplo de "pensamento mágico" é o que estamos testemunhando atualmente: A chegada de Renato.

Eu mesmo acho que a chegada de Portaluppi pode fazer bem para o clube e para a torcida, mas esta longe de ser a solução para os problemas tricolores. E a direção gremista vem promovendo a chegada do ídolo como se ele fosse um salvador da pátria, estão colocando uma pressão muito grande no treinador, maior que a pressão natural de treinar um grande clube.

E com isso a torcida acaba criando falsas esperanças. Quando a realidade, é que o Grêmio é um clube muito mal conduzido por seus dirigentes, com um time de futebol totalmente sem "sangue" e com uma torcida "organizada" que vibra, canta e apóia o time até mesmo nos maiores fiascos. A geral faz uma festa muito bonita, mas o que o Grêmio ganhou desde que esta torcida nasceu? Claro que a culpa não é deles, mas TAMBÉM é deles, que com seu apoio incondicional acaba "acomodando" o clube.

O fato que a torcida tricolor esta carente de títulos a muitos anos, e acabam vivendo de uma "alma gremista" que só entra no campo imaginário dos torcedores. Se vangloria por seu "Grêmio Copeiro", mas "Copeiro" de que? O Grêmio já não é referência de clube Copeiro a muitos anos, mas o torcedor ainda acredita nesta "marca".

O gremista de hoje é quase um sobrevivente, pois suportar o rival empilhar títulos e ver seu clube acumular fracassos e mais fracassos é um verdadeiro calvário. A vida do torcedor tricolor é relembrar as conquistas dos anos 80 e 90, onde o Grêmio formou grandes times. Os anos estão passando e com eles os grandes feitos vão ficando cada vez mais na memória da torcida. Apenas na memória.

A nova geração de torcedores do Grêmio se orgulha da Batalha dos Aflitos, dá para acreditar?

O pior é que dá, por que estes jovens não viram nada mais do que isso. Vivem das histórias contada pelos mais velhos e dos momentos vividos contra o NÁUTICO em 2005. Mais nada.

O fato é que os gremistas precisam rezar muito, ter fé, torcer para que surja no Olímpico um novo Fabio Koff e quem sabe fazer o clube forte novamente. Hoje o Grêmio Football Porto Alegrense é apenas um gigante adormecido. Nada mais que isso.

Nação tricolor, ou vocês abandonam este "universo paralelo" e voltam para o planeta terra, ou irão continuar a colecionar derrotas, derrotas e derrotas.

Imortalidade, alma tricolor, tradição, etc...Não entram em campo. Futebol se faz a base de planejamento, de convicções, de estrutura, de política de futebol. O resto é historinha pra DVD.

E era isso!

Um comentário:

Fernando Amoretti disse...

Felipe, muito bem escrito.
Traduz o verdadeiro cenário futebolístico do RS. Está muito difícil ser gremista neste momento.

Mas isso se deve única e exclusivamente a falta de vergonha de dirigentes e torcedores. Parafraseando Romário nos tempos de Flamengo: A Direção finge que trabalha e a torcida finge que apóia.

Torcedor tem não somente o direito mas o dever contestar e pressionar o clube por melhorias.

Mas como tu mesmo disse, uma torcida que acredita que seu maior feito foi a Batalha dos Aflitos, está com o nível de exigência muito baixo.