segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

É CEDO DEMAIS...

Já não é de hoje que tenho uma tese sobre o discernimento técnico dos torcedores de futebol. E a cada dia que se passa vejo ela se confirmar. É uma conclusão pura e simples, na qual eu afirmo que pelo menos 90% de torcedores de futebol não tem capacidade ou bom senso para debater sobre as variáveis que envolvem o esporte.

Na sua grande maioria são ventríloquos da imprensa, os comentaristas, repórteres e jornalistas do esporte formam facilmente a opinião da ampla maioria daqueles que amam o futebol. Basta uma manchete tendenciosa, ou um comentário maldoso e pronto à cabeça do torcedor “comum” esta feita.

Aquela velha frase que ouvimos: - "O torcedor é inteligente". Esta longe de ser verdadeira, pelo menos no que corresponde a maioria. Por exemplo, neste momento o que importa para a grande parte da torcida colorada é derrubar Celso Roth, não interessa em que circunstâncias ou quais serão as consequências. O negócio é fazer com que o treinador colorado seja demitido o quanto antes.

Demitir Roth é fácil. O "X" da questão é quem trazer para substituí-lo? Muitos destes torcedores chegam ao absurdo de responder que “TANTO FAZ”, qualquer um faz melhor que o “Burroth”! Não param para pensar que existem diversos pontos que devem andar unificados para que um time de futebol obtenha sucesso, e que o treinador mesmo que seja figura fundamental é apenas uma das pontas deste iceberg. Outros até sugerem alguns nomes, mesmo que sejam nomes mirabolantes.

Como é o caso de Paulo Roberto Falcão, isso é “pensamento mágico”, o Internacional com o tamanho que tem e em meio a Libertadores da América não pode “testar” um profissional no comando da equipe. Torço muito para que Falcão volte a trabalhar como treinador, mas primeiramente em outro clube e se por ventura for bem, sua volta ao Beira-Rio seria bem vinda. Traze-lo agora é loteria.

Dunga?

Já foi invenção na seleção brasileira e neste momento também seria arriscado. Acho que pelo perfil que tem, Dunga pode vir a ser um bom treinador de clube, mas agora não é o momento mais apropriado para lança-lo. Trazer um cara que nunca viveu (como treinador) as rotinas, o dia a dia de um clube e coloca-lo a frente do Internacional neste momento, é dar chance de mais para o fracasso.

Que nomes sobram?

Todas as outras opções de envergadura não estão disponíveis e dificilmente abandonariam seus empregos, Muricy, Dorival Junior, Mano Menezes, Felipão, e nem vou falar em Luxemburgo por que este já vem enganando o mercado ha bastante tempo.

Alguém vai dizer: - Abel Braga!

Os sheiks não liberam Abel antes do término do seu contrato na metade do ano, isso já foi dito por ele inúmeras vezes.

E agora? Quem é o salvador da pátria?

Ficou difícil né?

Por mais que eu discorde de muitas das ideias de Celso Roth, sei que trazer alguém melhor do que ele é bastante complicado e se for para trazer outro que esteja no mesmo nível do Juarez não vai resolver nada. É cedo demais para crises e chiliques do torcedor, o ano esta apenas começando.

Criticar é muito fácil, qualquer um é capaz. Achar as soluções é para quem sabe.

E era isso!

2 comentários:

Fernando Amoretti disse...

Numa boa eu sou crítico quando necessário.
Mas eu não estou vendo essas ideias tão absurdas do Roth que a maioria está vendo.

Empatamos um jogo FORA DE CASA, por infelicidade do destino e ganhamos outro dentro de casa amassando o adversário.

Felipe Cunha disse...

Criticar o Celso já virou mania, é rotina.