segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A DEPRESSÃO TOMA CONTA

Caso o GRÊMIO pudesse, fechar as portas, descerrar a bandeira e rasgar os meses de novembro e dezembro do calendário, o faria, pois a depressão nos corredores do Olímpico é tamanha.

O GRÊMIO vai ingressar no ano de 2010 tomado de incertezas. A primeira delas, é a permanência ou não do seu renomado treinador. Outra é o interesse de jogadores medíocres, mas que são tratados como deuses, cito nesse caso, o Tcheco e o Maxi Lopez. Ao meu ver, gostaria muito que os substitutos deles, tivessem a qualidade superior a ambos, e ainda fizesse o que eles nunca fizeram ou farão, ou seja, serem vencedores. No caso do treinador, o GRÊMIO só funciona na base do berro e da motivação constante, pois o futebol bonitinho e engomado, não combina conosco. Não digo isso como um motivo de orgulho, pois gosto de futebol-arte, mas nos 106 anos do clube, vi isso em raríssimas oportunidades.

A situação é crítica, e urge por um choque de gestão como o que o rival fez no início dessa década, pois estamos longe de conquistas há quase 9 anos. Isso mesmo, a data de 17 de junho de 2001, coincide com o maior momento recente da nossa história, a Copa do Brasil conquistada no Morumbi ante um estádio lotado de corintianos. Esse momento veio antes do World Trade Center, antes do Orkut, antes do YOUTUBE, antes até de termos a possibilidade de escrevermos num blog. Isso por si só, denota de uma necessidade de recuperação antes tarde do que nunca. A resposta parte de quem ama o clube, ou seja, os seus torcedores.


Um comentário:

Felipe Cunha disse...

2010 já começara bem para o Grêmio se o comando não for do Paulo "ta entendendo" Autuori...

Se vier Hugo e Borges será um acréscimo enorme em relação a Tcheco e Maxi.